Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006

Antigo Mercado Municipal, 1979.

praca.jpg
No início dos anos 50, foi construido este mercado municipal, em substituição do anterior que ficava em pleno Arrabalde, onde está actualmente o Tribunal, aqui se manteve até 1986. Ou porque já era insuficiente para as necessidades de então ou porque os interesses imobilários tambem se calhar já fervilhavam, foi deslocado para onde ainda hoje se encontra, na zona do Estádio Municipal. A rua que vemos á esquerda é a Rua do Olival oficialmente designada de Cândido dos Reis, e nesta imagem ainda é visível um bom pedaço do dito Olival mesmo encostado ao forte de S. Francisco, foi o seu último reduto.
publicado por Fer.Ribeiro às 18:04
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De humberto serra a 31 de Outubro de 2006 às 11:57
Pronto, já fui á fonte, e está feita a ratificação, esta da fotografia é de 1979, mais uma vez as minhas desculpas pelo lapso. Não há dúvida que por vezes, os comentários aqui deixados por quem nos visita, são a mais-valia.


De humberto serra a 31 de Outubro de 2006 às 10:24
Tens toda a razão António Pinto, eu saí de Chaves em 1972, e esse edifíco ainda existia, é verdade, inclusive até me lembro da família que habitava essa casa( eram 4/5 irmãos, e um deles foi meu colega de escola na Lapa). Portanto, esta foto será mesmo já dos anos 70, as minhas desculpas pelo lapso, e obrigado pelo reparo,foi mesmo oportuno.


De Antnio Pinto a 31 de Outubro de 2006 às 09:59
Quero fazer um pequeno reparo. Fui morar para a Rua Coronel Bento Roma (liga a Rua do Olival às Freiras)em 1974. Na altura ainda existiam umas casas em ruínas na Rua do Olival, imediatamente antes do edifício que se vê na fotografia, onde funcionavam as "carreiras de Braga". Pelo que me parece, não se vêm essas casas na foto o que me leva a deduzir que a mesma não seja dos anos 50. Posso estar enganado.


De J. Pereira a 30 de Outubro de 2006 às 21:44
As idas a este mercado foram as minhas primeiras idas à cidade, pois ia com a minha mãe vender ovos, galinhas, coelhos, etc... fruto da nossa criação de "vivos", que davam para aumentar o parco orçamento familiar.


De Joaquim Pires Ferreira a 13 de Junho de 2007 às 01:41
A propósito da exploração imobiliária, faço cópia do que já está publicado em outra página, mas para exemplo entendo oportuno duplicar. É preciso reflectir e alertar as novas gerações. Nós, os mais velhos, temos o dever de contribuir, no sentido de demonstrar que a passividade do Povo Transmontano de nada lhes vale. Somos dotados de inteligência, certamente o ar puro que ainda nos é permitido respirar, contribui para uma excelente oxigenação do nosso cérebro, por isso sem perder a calma, deveremos ser mais actuantes, mais nobres, não fugir ao debate, mas antes de actuar, reflectir bem, amadurecer bem as ideias, consultar o que for necessário e não falar só por que tem vontade em se exibir.
Segue cópia, repito: a propósito da exploração imobiliária:
Em 1953 já com 8 anos fui viver para a casa azul, fui crescendo e ao longo da minha infância, sempre ouvia de pessoas muito mais velhas que a Cidade deveria recuperar as suas muralhas. A exemplo: as construções na Rua do Sol encostadas à muralha deveriam ser demolidas, nunca seria permitido construir nas imediações de todas elas, mas nunca houve coragem para travar a loucura de certos Presidentes de Câmara. Após 25 de Abril as verbas transferidas para o poder local teriam permitido perfeitamente corrigir erros do passado, mas infelizmente o poder do cimento corrompeu o poder. Vejam o que Branco Teixeira fez nesta Cidade: Torres na Quinta dos Machados!! Ainda é possível ver maquete do que foi aprovado para esse local, sem torres, apenas edificações de forma a não beliscar a existência das Muralhas do Forte de S. Francisco. Mercado das Longras foi ocupado com Torres de cimento, tapando a Muralha, destruindo a varanda de Chaves, a Rua do Olival com excelentes vistas sobre a imensa veiga. Rua da Adega do Faustino que se previa ter saída para a Avenida 5 de Outubro, através de túnel a construir por baixo desta rua, ficou sem efeito com as construções na referida Quinta dos Machados. Fonte dos Frades que existia na Quinta dos Machados desapareceu com o consentimento do Autarca para uma Quinta em Famalicão, contrariando a vontade dos antigos donos, que a poderiam ter transferido para local de sua nova propriedade, mas não o fizeram por considerarem que pertencia à Cidade e não aos proprietários. De nada lhes valeu ter nobres sentimentos, estes foram agredidos e nunca irão esquecer. Penso que ainda seria possível reaver essa mesma fonte, é património de Chaves. Quem de direito, fale com quem a possui, os intervenientes estão felizmente vivos e ainda a Cidade pode ver de volta património que lhe pertence. Assim tem crescido Chaves. Culpa de quem? Do Povo! Sempre crítico na mesa do café, nas esquina da rua, mas nada actuante, agora choram de saudades. Infelizmente a mentalidade não mudou passadas tantas décadas e o filme dos erros continua. Não chorem nem peçam justiça, temos o que merecemos. Agora com esta arma chamada blog, temos ao menos a liberdade de expressar os nossos sentimentos, já que a imprensa nem sempre é capaz de escrever o que devia.
A propósito da imprensa, porque não se usa esta para pedir a demolição das Torres na Quinta dos Machados? Aqui fica o alerta. A Cidade e o Homem que teve a coragem de investir na recuperação do Forte de S. Francisco "Comendador António Ramos". bem o merecem.


Comentar post

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Lumbudus

blog-logo

.posts recentes

. A 2.ª publicação do “Alma...

. O Almanaque de “O Comérci...

. O Almanaque de Chaves, de...

. Tratado de Limites de Lis...

. Tratado de Limites de Lis...

. Pelos 125 anos da Associa...

. Pelos 125 anos da Associa...

. Pelos 125 anos da Associa...

. Alberto Alves

. O livro “Azulejos da Egre...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2016

. Janeiro 2016

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.Links

.Crative Commons

Creative Commons License
Este Blogue e o seu conteúdo estão licenciados sob uma Licença Creative Commons.

.olhares desde 29-01-07

.Olhares on-line

online

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds