Segunda-feira, 17 de Junho de 2013

O "Guia-álbum de Chaves e seu concelho"

Ao observar este belo postal antigo (1) há um aspecto que salta à vista, a ausência do pelourinho…!

A indagação sobre o seu paradeiro levou-nos às primeiras décadas do século passado, aos tempos da 1ª República, quando foi transportado de um quintal na Madalena para o Largo de Camões e montado em frente da Câmara Municipal.

Fotografias originais desse tempo não existem, apenas se conhecem quatro  imagens que retratam a localização do pelourinho nesta época. Uma delas foi editada em postal ilustrado (2):

 

 

 

 

As outras desconhecemos se chegaram a ser editadas, duas delas encontram-se na obra que apresentamos a seguir:

 

" FACTOS E NOTÍCIAS (3)

Guia de Chaves

Com o louvável intuito de concorrer para os fundos da Liga Flaviense de Instrução e Beneficência e de chamar a atenção dos turistes para as belezas e recursos de Chaves e seus arredores, publicou o sr. Manuel Rodrigues um curioso e elegante guia, que, além da importante dose de informações, se torna recomendável pelo grande numero de dados históricos que fornece ao visitante desta região. Para nós, o simples facto do nosso bom amigo pôr de parte o seu interesse pessoal e dedicar o seu trabalho à obra da Liga, leva-nos a aplaudir sem restrições a sua ideia, se bem que nos pôe em situação de não podermos analisar insuspeitamente o seu livro. O Flaviense acha-se de tal forma integrado e empenhado no futuro dessa nobre instituição, que tudo quanto para bem dela

se fizer merece o seu imediato aplauso. Quer-nos porém parecer que, sendo, como diz o seu autor, sem pretensões literárias e susceptível de futuras edições que o aumentem e tornem mais copioso em informações sobre as industrias locais, (sobretudo no que trata de esboços de industria existentes nas aldeias das vizinhanças de Chaves e que encerram um carácter puramente nosso), sobre a arte quasi primitiva da região, sobre as ruinas existentes que evocam os tempos da época romana, etc., o livro é digno de ser acolhido como uma bela tentativa. Trabalhos desta natureza são difíceis de organizar. O que tem propriamente valor é a iniciativa de quem pela primeira vez os lança a público. O guia álbum é um livro que servirá de baze a uma futura obra em que surjam todas as belezas, riquezas, tradições e usos desta boa terra, até agora quasi ignorada. Felicitamos o sr. Rodrigues pela sua iniciativa de homem de bem e de verdadeiro flaviense, que acima de tudo põe o culto da sua terra." 

 

É este livrinho que hoje vos apresentamos, volvidos que são 97 anos sobre a data da sua publicação. Profusamente ilustrado com imagens, através das suas páginas somos levados numa viagem ao tempo da Chaves de princípios do século passado, constituindo uma monografia de elevado valor informativo sobre aquela época.

 

 

 

 

Sobre o autor:

Manuel António Rodrigues foi um denodado republicano, teve um papel activo no 31 de Janeiro de 1891 (revolta republicana do Porto), integrando o comité flaviense, em virtude do que chegou a estar preso, e uma forte intervenção política nos primeiros anos da república em Chaves. 

 

 

 Os membros do “Comité Revolucionário de Chaves” em 1912 (4)

 

Integrou a Comissão Administrativa do Concelho de Chaves logo a seguir à proclamação da República, e fez parte do Batalhão Patriótico para a Defesa da República (5). Participou nos confrontos durante as incursões de Paiva Couceiro em 1911-12 e em particular no 8 de Julho de 1912. Mais tarde integrou a comissão política do Partido Evolucionista do dr.  António Granjo (6), foi vogal da Câmara Municipal e comandante dos Bombeiros Voluntários. Faleceu em finais de 1927.

Exerceu a sua actividade profissional como importador de automóveis americanos e agente da marca belga “Minerva Motors”, era também proprietário da Serralharia Rodrigues, no entroncamento da Madalena, oficinas onde foram executados os gradeamentos e portões do Jardim Público e do coreto, entre outras obras espalhadas pela cidade e mandadas erigir pela edilidade.

Foi um dos mais activos membros da "Liga Flaviense de Instrução e Beneficiência" , a qual, entre outras actividades beneméritas, manteve uma Escola Primária, nocturna e gratuita, sob a direcção do professor João Delgado, integrada na Liga Popular Contra o Analfabetismo e subsidiada em 80$00 pelo Ministério da Instrução Pública (7). Era frequentada por adultos e jovens trabalhadores de ambos os sexos.

 

 

Sobre a obra:

B.N.P. Torre do Tombo

Cota H.G. 15446//6 P.        

TÍTULO : Guia-album de Chaves e seu conselho (sic)

AUTOR(ES): Rodrigues, Manuel António, ca 18- -

PUBLICAÇÃO: Porto : [s.n.], 1915 : -- Tip. Progresso)

DESCR. FÍSICA: 66 p. : il. ; 19x27 cm

Colecção: Fundo Geral Monografias

Estado: Mau estado, acesso restrito sob autorização

 

Notas:

(1) Primeiro número de uma coleção de postais editados em data incerta pela “Sociedade de Defeza e Propaganda de Chaves”, com fotografias da autoria de Alberto Alves. Conhecidos como “série azul”, foram impressos em Paris pela firma “Levy et Neurdain”, num belo tom de azul da prússia. Muito apreciados pelos coleccionadores.

(2) Editado pela casa Gomes & Rei, em data incerta, com cliché de Alberto Alves, impresso em Lyon na “Societé Lumiére”.

(3) Jornal “O Flaviense”, Chaves, 18 de Junho de 1916.

(4) Fotografia de Joshua Benoliel, Arquivo Empresa Pública Jornal O Século-Serviço de Fotografia, DGARQ Torre do Tombo, Lisboa.

(5) Jornal “O Semanário”, Chaves, 11 Outubro de 1910, editorial "A proclamação da República em Chaves".

(6) Jornal “O Flaviense”, Chaves, 4 de Julho de 1915, artigo "8 de Julho", António Granjo.

(7) Decreto-Lei 1065, de 31 Outubro de 1914. 

 

 

Bibliografia:

“A República em Chaves”, Júlio M. Machado, 1998

“A República no Distrito de Vila Real (1873-1933)”, Joaquim Aires, 2010

 

publicado por AAC às 23:04

editado por artchaves em 21/06/2013 às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sexta-feira, 13 de Novembro de 2009

Corpo Docente da Escola Industrial e Comercial de Chaves - 1920

 

.

 

A foto de hoje é uma relíquia, um tesouro, que faz muita da história do Século XX da cidade de Chaves e do ensino nesta cidade.

 

Trata-se de uma foto com o corpo docente da Escola Técnica ou Escola Industrial e Comercial de Chaves do ano de 1920. Hoje a Escola Secundária Dr. Júlio Martins.

 

Dr. Júlio Martins que actualmente dá nome à escola e que, também está nesta foto, ocupando o lugar central.

 

Como as pessoas retratadas, pela certa, já não serão da recordação da maioria dos visitantes deste blog e por se tratar de pessoas ilustres que em muito contribuíram para o ensino e história da cidade de Chaves, hoje, contrariamente ao que é habitual, deixamos os nomes dos retratados, assim:

De pé:

José de Vasconcelos Matias; António Manuel Paula; João Delgado;  Nicolau Mesquita; Granjo e Vicente Costa (Mestre e autor da estrutura do telhado do Faustino).

 

Sentados:

(…?...); Sindulfo Carneiro; Júlio Martins; António Cachapuz e José Joaquim Videira.

(Foto gentilmente cedida por um familiar de um dos retratados)

publicado por Fer.Ribeiro às 02:26
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

Artistas da Terra - Chaves - Portugal

 

.

 

Não faço a mínima ideia de quem são os artistas, pois isto é gente da arte e, pelos ares, parece ser gente da música, ou talvez não…talvez estudantes, talvez do teatro, talvez um grupo em digressão, (?).Gostei da pose dos artistas e certo é que a foto estava no arquivo do blog Chaves Antiga , portanto é gente da terra…

publicado por Fer.Ribeiro às 03:02
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Terça-feira, 27 de Outubro de 2009

Os "Glooks"

 

 

Chaves sempre teve tradição em bandas e conjuntos musicais. Desde o jazz, ao pop, ao Rock, ou um bocadinho de tudo. Bandas geralmente associadas ao jovens flavienses, mas não só, foram fazendo a delícia musical da cidade ao longo dos anos. Prova disso, são algumas fotos que, em boa hora,  foram feitas para fazer um pouco da história musical da cidade.

 

Os Glooks foram um desses agrupamentos musicais que a julgar pela pose na fotografia, pela certa, teriam feito a delícia de qualquer capa de vinil.

 

Fica a foto dos glooks e também, de fundo, os belos tempos do Jardim do Tabolado em todo o seu esplendor.

 

Foto gentilmente cedida por Silvano Roque

 

 

publicado por Fer.Ribeiro às 02:14
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sábado, 24 de Outubro de 2009

Escola/Liceu - 1962

 

.

 

Decorria o ano de 1962 e o frio de Março não apagava o calor dos “rivais” de sempre, Liceu/Escola. As testemunhas cercavam o campo de “batalha” onde os “rivais” iriam medir forças. Tempo para uma pose breve, mas eterna. Nela já se desenhavam os olhares fixos e distantes de quem um dia viria a comandar verdadeiras “batalhas” da bola, de quem um dia viria a tratar da saúde de todos, de quem (como sempre) via as coisas mais de alto…enfim, entre outros olhares desenhados que desconhecemos, pois por esta altura, os autores deste blog, ainda há pouco tinham aprendido a dar os primeiros passos, mas por aí, pela certa, haverá quem se lembre de todos estes craques da bola.

 

Foto gentilmente cedida por Silvano Roque

 

publicado por Fer.Ribeiro às 03:45
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

Equipa Feminina do Liceu de Chaves - Ano lectivo de 1962/63

 

Muitas vezes já se referiu aqui a tradição que o Liceu de Chaves tinha no voleibol, mas quase sempre, essa tradição, é associada às equipas masculinas, no entanto, o voleibol do Liceu não era só coisa dos rapazes…

 

Também ao longo dos tempos, as raparigas do Liceu, seguiam e bem a tradição do voleibol.

 

 

 

As fotos de hoje são da equipa feminina de voleibol do Liceu no ano lectivo de 1962/63, momentos antes de defrontarem a equipa feminina do Liceu de Vila Real. Desconheço o resultado, mas pela certa o Liceu de Chaves ganhou.

 

Quanto às meninas da foto, talvez aí desse lado alguém as reconheça!

 

Fotos gentilmente cedidas por Rui Queirós

publicado por Fer.Ribeiro às 01:17
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sexta-feira, 3 de Outubro de 2008

Finais de 60 - Caneiro - Chaves

 

.

 

A julgar pela “moçoila”, que é da minha idade, decorriam os finais dos anos 60 do Século passado. Pessoal de boa colheita, aliás bem patente nesta foto, pois basta observar como os bigodes retorcidos despontavam nos moçoilos e, nas raparigas, como o fervoroso sangue lhes rosava as faces.

 

Analisando a foto e após apurada observação, localizo-a no Caneiro, junto à Ribeira ou Rigueiro como se dizia, ali mesmo onde hoje existe um pontão e na altura apenas existiam umas poldras e manhosas. Ao fundo a então casa do Dr. Castro e o arvoredo do Jardim Público, em segundo plano, a casa do “inventor”, paredes-meias com o rigueiro.

 

Quanto ao jovem casal, são caneirenses de gema, irmãos e ainda hoje são flavienses residentes. Alguém os tira pela pinta!? Fica uma ajuda – sempre gostaram das brincadeiras de carnaval.

 

Foto gentilmente cedida por S.M., a “moçoila” da foto.

 

publicado por Fer.Ribeiro às 01:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 1 de Agosto de 2008

Ponte Romana há 100 anos!

 

.

 

 

Uma leitura breve da foto dá para saber que tem entre 98 e 128 anos. Era então, em Chaves,  o único meio de passagem para a outra margem e assim continuou a ser até aos anos 50, em que a Ponte Nova foi construída, precisamente para aliviar o trânsito da cidade e da Ponte Romana (anos 50 em que na cidade haveria umas poucas centenas de carros).

 

Nos anos 90, uma nova ponte sobre o Tâmega foi construída (a Ponte de S.Roque) de novo com a intenção de retirar o trânsito da velha Ponte Romana, mas tal não foi conseguido.

 

Ano de 2008, a Ponte Romana entra em obras de beneficiação e alteração de pavimento. Mais uma vez com a intenção de lhe retirar o trânsito automóvel. As obras estão praticamente concluídas, ainda está fechada ao trânsito por esse motivo, mas a discussão está no ar, e a ponte que deveria servir para unir populações, está a dividi-la, pelo menos em opinião.

 

Vamos aguardar para saber se o ano de 2008 vai ficar registado na história da Ponte Romana como o ano em que definitivamente passou a ter uso exclusivamente pedonal.

publicado por Fer.Ribeiro às 02:02

editado por hpserra em 14/09/2008 às 17:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 8 de Julho de 2007

Episódios da Incursão Monárquica de 1912

 

   D. João de Almeida (datas desconhecidas) foi o prisioneiro monárquico mais ilustre dos combates de 8 de Julho de 1912. A sua detenção ocorreu de forma inusitada, quando se dirigia sózinho de Outeiro Seco para Chaves.  

   O livro O Ataque a Chaves, de Joaquim Leitão (1875-1956), foi publicado em 1916 e uma das passagens da narrativa menciona o seguinte episódio:

 

   "E a marcha continuou já bem alumiada pelo dia claro. A Columna marchava affoita. Aquelle silencio religioso, que a madrugada favorece, fôra despedido pelo rumor da vida dos campos. De quando em quando, um laconico dialogo se travava entre dois homens da Columna. Havia praças que projectavam:

   – "Vamos almoçar a Chaves!"

   Um soldado do pelotão Braz, o "Ferrador" pediu-lhe logo ali licença para ir almoçar a Chaves, onde já estivera servindo em infantaria 19.

   – Pois, vae, e encommenda-me lá um beaf de cebolada, á portuguêsa, em casa da Marranica [ nota do autor: "Carcunda que tinha uma taverna de afamada cozinha."]  – acedeu o alferes Braz.

   O soldado prometeu, muito satisfeito:

   – Quando o meu alferes lá chegar, já o beaf ha-de estar prompto.

   – Pois a mim – disse o João Chamusca, soldado do pelotão Saturio – cheira-me a que vou ter um almoço d'aço!..."

 

D. João de Almeida escoltado por militares republicanos na vila de Chaves.

 

   Logo que em Chaves se conheceu o conteúdo deste livro, começou a circular pela vila uma anedota que perdurou durante algum tempo na tradição oral de várias famílias flavienses. Para explicar o insólito da captura passou a referir-se o dichote: "Pois, o D. João queria era ser o primeiro a comer o bife..."

   Este gracejo não passa disso mesmo e não tem obviamente qualquer fundamento histórico, uma vez que o episódio relatado por Joaquim Leitão se desenrolou na coluna de Paiva Couceiro, que se aproximava de Chaves por Soutelinho da Raia, enquanto D. João integrava a coluna que se aproximou de Chaves por Vila Verde da Raia e Outeiro Seco.

 

Danos do bombardeamento monárquico na fachada da antiga Tipografia Mesquita, no Largo do Anjo.

  

publicado por blogdaruanove às 23:37
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Maio de 2007

Picadeiro - Finais de 70

.

 

Os mais novos pela certa que não reconhecem este local, agora o pessoal da minha geração e das gerações anteriores passaram muitas vezes por este local, quer como “actores” quer como público assistente.
 
Trata-se do Picadeiro, que depois de o ser, deu lugar ao futebol, a vários e disputados torneios ou simples peladinhas de fim de tarde ou de um furo nas aulas. Mas também conheceu outros espectáculos, como provas de perícia automóvel.
 
Ao fundo podem-se observar as actuais instalações da PSP (que na data da foto o edifício era amplo e estava abandonado), e em primeiro plano o campo (ou campos) de futebol, precisamente onde hoje existem o Pavilhão do GATAT, o edifício do GATAT e o Ed. Boega, e ao que nos informaram, trata-se de um jogo da Tagus, num dos tais torneios que suponho seja dos finais dos anos 70.
 
Resta agradecer ao Zé Paulinho o ter-nos cedido a foto para publicação.
tags:
publicado por Fer.Ribeiro às 22:55
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29
30


.Lumbudus

blog-logo

.posts recentes

. O "Guia-álbum de Chaves e...

. Corpo Docente da Escola I...

. Artistas da Terra - Chave...

. Os "Glooks"

. Escola/Liceu - 1962

. Equipa Feminina do Liceu ...

. Finais de 60 - Caneiro - ...

. Ponte Romana há 100 anos!

. Episódios da Incursão Mon...

. Picadeiro - Finais de 70

.arquivos

. Abril 2016

. Janeiro 2016

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.Links

.Crative Commons

Creative Commons License
Este Blogue e o seu conteúdo estão licenciados sob uma Licença Creative Commons.

.olhares desde 29-01-07

.Olhares on-line

online

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds